Câmara recebe visita de executivos da empresa de energia chinesa Sepco1.

Empreiteira da gigante estatal Power China é especializada em expansão das linhas de transmissão de energia

Representantes da empresa chinesa Sepco1 Construções do Brasil estiveram no gabinete da presidência do Legislativo Municipal para tratar de assuntos relacionados aos trabalhos de expansão das linhas de transmissão de energia. No ensejo, os executivos, acompanhados por um intérprete, disponibilizaram aos vereadores os principais projetos que serão desenvolvidos na cidade de Arcos.

A Sepco1 é subsidiária da gigante estatal Power China, que possui uma holding no país. Em 2010, o Brasil foi escolhido  para a realização do primeiro grande investimento do conglomerado em países não-asiáticos. A Power China atua na área de planejamento, construção e operação de usinas hidrelétricas, térmicas, solares, eólicas, biomassa e das que utilizam em sua matriz de geração combustíveis fósseis. Ela também foi responsável por projetos de estradas, pontes e rodovias na China.

Segundo os executivos, o modelo de fornecimento confiável, econômico, limpo e sustentável já beneficia, portanto, algumas das maiores cidades brasileiras. São quase seis mil quilômetros de linhas de transmissão operados pela chinesa nos próximos 30 anos de concessão, localizados no sudeste do país. 

Investimento em mão de obra local

Durante a reunião, que durou aproximadamente duas horas, o presidente do legislativo Marcelo Estevam e os vereadores João Paulo e Rodrigo Carvalho cobraram da empresa a contratação de mão de obra local, o que beneficiaria, de acordo com levantamentos apresentados, cerca de 700 pessoas. Vale ressaltar que a empreiteira conta atualmente com 80 funcionários em Arcos.

Contrapartida

Outro assunto importante em pauta foi a contrapartida sugerida pelos vereadores aos executivos da Sepco1. O Legislativo faz questão de que seja apresentado e encaminhado ao município um projeto de cunho social que possa contribuir com a municipalidade, qualquer que seja a área cuja demanda se faça mais evidente. Também foi solicitada pelos edis a doação de materiais para cercamento de nascentes e de matas ciliares, bem como a doação de mudas nativas para o plantio em regiões degradadas.